Floripa News
Cota??o
Florian?polis
Twitter Facebook RSS

Soja a R$158,00/sc ? Consegue se comprar para Março 2022

Publicado em 31/03/2021 Editoria: AgroNews Comente!


CORN - MILHO

A Bolsa de Chicago (CBOT) atingiu seu limite de alta para os preços internacionais do milho futuro nesta quarta-feira. As principais cotações registraram movimentações positivas de 25 pontos ao final do dia.

 

O vencimento maio/21 foi cotado à US$ 5,64 com valorização de 25 pontos, o julho/21 valeu US$ 5,47 com alta de 25 pontos, o setembro/21 foi negociado por US$ 4,96 com elevação de 25 pontos e o dezembro/21 teve valor de US$ 4,77 com ganho de 25 pontos.

 

Esses índices representaram valorizações, com relação ao fechamento da última terça-feira, de 4,64% para o maio/21, de 4,79% para o julho/21, de 5,31% para o setembro/21 e de 5,53% para o dezembro/21.

 

Na comparação mensal, os futuros do cereal acumularam altas de 3,11% para o maio/21, de 2,24% para o julho/21 e de 1,43% para o setembro/21, nas movimentações entre o fechamento do dia 26 de fevereiro e do dia 31 de março.

 

miho    
         
Chicago (CME)    
CONTRATO US$/bu VAR   US$/MT
MAY 2021 564,25 25   222,15
jul/21 547,5 25   215,55
SEP 2021 496 25   195,28
DEC 2021 477,5 25   187,99
Última atualização: 16:01 (31/03) Preço $/MT sem premio 

 

Segundo informações da Agência Reuters, os futuros do milho de Chicago subiram em seus limites diários de comércio na quarta-feira, depois que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgou intenções de plantio menores do que o esperado.

 

Nesta quarta-feira (31), o USDA trouxe seu boletim de estoques trimestrais para os grãos na posição de 1º de março de 2021 com dados dentro das expectativas do mercado para soja e milho. 

 

O USDA ainda trouxe os estoques trimestrais de milho em 195,59 milhões de toneladas, com as estimativas tendo trabalhado em um intervalo de 192,36 a 202,7 milhões de toneladas. A média das projeções era de 197,29 milhões. 

 

“Com esses poucos hectares e com o quão apertados os estoques estão, isso apenas indica que se tivermos qualquer tipo de seca de verão neste ano estaremos com sérios problemas neste mercado de grãos”, disse Mark Gold, sócio-gerente da Top Terceiro Ag Marketing.

 

De acordo com informações obtidas pela equipe do Grupo SAG-KK, os preços do milho estão seguindo o movimento de queda no mercado internacional. Nos mercados à vista e começando na Ásia, os futuros do milho na Bolsa de Dalian caíram ainda mais com o contrato de maio ainda em CNY 2.650/t ($ 403,15/t), queda de CNY36/t no dia. 

 

Os  fabricantes  de  ração  sul-coreanos  continuaram  a substituir o milho em sua lista de compras, com a Korea Feed Association (KFA) adquirindo 57.000 toneladas de farelo de soja da Bunge por US$ 479,29/t CFR Coreia do Sul para entrega em 25 de setembro. Ofertas para o Vietnã foram ouvidas no nível de US$ 291,80/t para carregamento em junho em uma base CIF Phu My e Cai Mep, no sul do Vietnã, enquanto o milho entregue a Hai Phong no norte do Vietnã foi oferecido a US $ 282,50/t para carregamento em julho.  

 

As ofertas de milho da Ucrânia permaneceram inalteradas no momento do relatório, apesar das fortes quedas na CBOT, com abril carregando ofertas de milho a US $ 263/t FOB HIPP e maio em US $ 265/t FOB HIPP. No mercado doméstico, a situação não estava clara, já que as ofertas dos compradores oficiais foram ouvidas na faixa de US $ 247- $ 252/t CPT para a safra antiga de milho e em torno de US $ 205/t para a nova safra, mas nenhuma indicação firme para os vendedores foi relatada. 

 

Enquanto  isso,  o milho romeno foi oferecido a  € 220/t FOB CVB para carregamento em maio, enquanto os compradores foram ouvidos por US$ 215- $ 216/t FOB, com traders dizendo que o interesse está vindo da União Europeia e de países do norte da África. No complexo fluvial do Golfo dos Estados Unidos, as barcaças CIF tiveram um movimento modesto, com ofertas para abril um centavo mais baixas, a 75 centavos em relação a maio, enquanto as ofertas foram mais firmes e as ofertas foram maiores para outubro a dezembro, todas por um centavo. 

 

miho  
       
  B3 (Bolsa)   US$/MT
mai/21 96,64 0,09% 286,09
jul/21 92,4 0,33% 273,53
set/21 86,31 0,27% 255,51
nov/21 86,9 2,60% 257,25
Última atualização: 17:42 (31/03) Preço $/MT sem premio 

 

Os preços futuros do milho ganharam força ao longo desta quarta-feira na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registraram movimentações positivas entre 0,09% e 2,60% ao final do dia.

 

O vencimento maio/21 foi cotado à R$ 96,55 com ganho de 2,82%, o julho/21 valeu R$ 92,10 com valorização de 3,48%, o setembro/21 foi negociado por R$ 86,08 com elevação de 2,60% e o novembro/21 teve valor de R$ 86,61 com alta de 2,26%.

 

Ao longo do mês de março, os valores acumularam ganhos de 9,05% para o maio/21, de 10,56% para o julho/21 e de 7,60% para o setembro/21 na comparação entre o fechamento do dia 26 de fevereiro e do dia 31 de março.

 

Para o analista de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, os contratos futuros do milho brasileiro subiram sustentados pelas movimentações altistas que aconteceram nas cotações internacionais após o reporte de hoje do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

 

De acordo com informações obtidas pelos nossos correspondetes, o frete continua impedindo os negócios do milho no estado do Rio Grande do Sul. Hoje, ouvimos relatos de nossos parceiros no Rio Grande do Sul no sentido de negócios não realizados por conta do frete. Com as altas expressivas que ocorreram ao longo de pelo menos três semanas, a disputa que permanece é entre a intenção de venda FOB do produtor, e compra CIF das indústrias. Ninguém quer assumir a conta salgada do transporte.

 

Em Santa Catarina, os negócios no Oeste estão em torno de R$ 95,00, compradores pedindo ofertas. Diante de um mercado que vê altas crescentes em todos os estados produtores, os compradores hoje preferiram manter-se discretos na indicação de preços e poucos se arriscaram  a  dar  ideias  para  que  corretores  ou vendedores buscassem ofertas. Mesmo assim, especula-se que um grande volume foi fechado no oeste catarinense, entre uma cerealista  e uma  indústria nesta manhã. 

 

No Paraná, a safrinha está em sua reta final de semeadura, com pedidas de vendedores na faixa de R$ 93,00.

 

O  plantio  ainda  segue  em  regiões  como  Maringá  (96%),  Cornélio Procópio (90%), Londrina (87%), e Ivaiporã e Pitanga (95%). Em relação à colheita da safra de verão, o relatório do órgão aponta que 82% das lavouras estão colhidas, sendo que destas, 95% já estão na fase de maturação, e 5% na frutificação.

 

Já no Mato Grosso do Sul, foram vistos negócios em pequenos lotes em direção às fábricas. O milho apresentou um movimento bastante calmo hoje , ao longo da manhã,  no Mato Grosso do Sul e os relatos de nossos parceiros foram  de  lotes  pequenos  –  300  a  600  toneladas,  no máximo – com movimentos no interior do Estado, não alcançando  outros  mercados,  como  do  Paraná,  Santa Catarina ou mesmo os portos. 

 

A quarta-feira (31) chega ao final com os preços do milho pouco modificados no mercado físico brasileiro. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, foram percebidas desvalorizações apenas em Brasília/DF (1,35% e preço de R$ 73,00).

 

Já as valorizações apareceram somente nas praças de Cascavel/PR (0,60% e preço de R$ 84,00), Ponta Grossa/PR (1,16% e preço de R$ 87,00) e Cândido Mota/SP (1,19% e preço de R$ 85,00).

 

INDICADOR DO MILHO ESALQ/BM&FBOVESPA (Mercado)  
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$ US$/MT
31/03/2021 93,71 -0,54% 9,72% 16,66 277,41
30/03/2021 94,22 -0,19% 10,31% 16,39 278,92
29/03/2021 94,4 1,07% 10,53% 16,37 279,46
26/03/2021 93,4 0,10% 9,35% 16,25 276,49
25/03/2021 93,31 0,30% 9,25% 16,47 Preço $/MT sem premio 

 

De acordo com analise da SAFRAS & Mercado, o mercado brasileiro de milho apresentou preços firmes. “Onde a colheita flui melhor há uma certa acomodação nas cotações. Mas onde os trabalhos estão mais discretos as cotações seguem bem sustentadas”, diz o consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari.

 

Em Goiás, por exemplo, a saca do cereal goiano vale, em média, R$ 78,38 com alta de R$ 0,44 com relação à semana anterior. “Com o plantio praticamente concluído, o mercado segue firme. A expectativa é que até a colheita da safrinha não teremos oferta segura para aliviar o mercado, assim granjas e indústrias terão que comprar o cereal a preços elevados. Neste cenário, o mercado continua com baixa liquidez e com negócios apenas pontuais”, relata o Ifag.
 
 

SOYBEAN - SOJA

Os futuros da soja fecharam no limite de alta - 70 pontos no pregão desta quarta-feira (31) na Bolsa de Chicago, refletindo o boletim de intenção de plantio divulgado pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), o qual trouxe números abaixo das expectativas médias do mercado não só para a oleaginosa, mas também para o milho. E os preços do cereal também concluíram o dia no limite de alta. 

O contrato maio/21 terminou o dia valendo US$ 14,36 por bushel, enquanto o julho foi a US$ 14,27 e o setembro a US$ 13,02. 

SOJA - CME - CHICAGO
CONTRATO US$/bu Variação (cts/US$) Variação (%)
mai/21 14,3675 70 5,12
jul/21 14,2775 70 5,16
ago/21 13,8525 70 5,32
set/21 13,0275 70 5,68
       
Última atualização: 17:02 (31/03)  

A área de soja foi estimada em 35,45 milhões de hectares, 5% maior do que a da safra anterior. As projeções, porém, variavam entre 34,84 a 37,07 milhões de hectartes, com média de 36,42 milhões. Ou seja, crescimento bem menor do que o esperado pelo mercado. O USDA acredita ainda que a área semeada com a oleaginosa ficará inalterada em 23 dos 29 estados produtores. 

Como explica o analista de mercado Marcos Araújo, analista de mercado da Agrinvest, confirmada esta área, a nova safra norte-americana seria de 120 milhões de toneladas, considerando uma produtividade de 56,9 sacas por hectare - a segunda maior da história - os estoques finais viriam a 650 mil toneladas. 

"Mas isso não deve acontecer, porque o mercado no curto prazo deve se comportar de forma a racionar a demanda, a exemplo do que já vem acontecendo com o milho em algumas regiões", diz Araújo. Afinal, estes estoques de 650 mil toneladas resultariam em uma relação estoque x uso de apenas 0,50%. "E essa conta no mercado americano ficaria muito pressionada", complementa o analista. 

SOJA - PREMIO - CBOT / PNG
CONTRATO VALOR
mar/21 -25
abr/21 -20
mai/21 -10
jun/21 15
Última atualização: 31/03/2021

E Araújo chama a atenção ainda ao processamento de soja interno nos EUA, que também deverá pisar no freio, sendo importante monitorar também  os números do NOPA (Associação Nacional dos Processadores de Oleaginosas). "Há uma luz amarela no mercado", diz. 

Assim, a tendência de alta está definida e determinada para Chicago, já que os preços da soja teriam que subir também para incentivar mais área para a oleaginosa nos EUA, bem como para a próxima safra - 2021/22 na América do Sul. No entanto, ainda segundo Araújo, as condições favoráveis de clima nos EUA para o milho poderiam limitar o avanço da soja em algumas regiões importantes. 

           
Preço soja referência (chicago ):$/MT 524,24   31/mar
           
Preço Brasil - esalq - Paranaguá: $/MT 513,03   31/mar
           
Preço Brasil - Paranaguá: $/MT 518,06   31/mar
PREÇO REFERÊNCIA FAS PARANAGUÁ NET.  Preço Brasil MI = R$ 175,00 por saca

Nesta quarta-feira (31), o USDA trouxe seu boletim de estoques trimestrais para os grãos na posição de 1º de março de 2021 com dados dentro das expectativas do mercado para soja e milho. Os estoques de soja foram reportados pelo departamento em 42,46 milhões de toneladas, enquanto as projeções variavam de 39,19 a 49,67 milhões, com média de 41,99 milhões de toneladas. Em 1º de dezembro, o número era de 79,82 milhões de toneladas e em 1º de março de 2020, 61,37 milhões. 

“É um número, francamente, altista para o mercado de Chicago, que já disparou”, afirma o analista de mercado Carlos Cogo, da Cogo Inteligência em Agronegócio.

Isso deve representar uma produção menor do que a esperada até então, o que complica ainda mais a situação dos estoques norte-americanos, que também foram estimados abaixo do esperado pelo mercado, semanas atrás.

Logo, Cogo afirma que os contratos futuros negociados na Bolsa de Chicago estão subindo e devem continuar ao longo desta quarta-feira.

  soja US$ 5,63
       
  B3 (Bolsa)    
CONTRATO US$/sc R$/sc VAR
mai/21 31,67 178,30 4,90%
   
Última atualização: 14:28 (31/03)  

Redução de área plantada muda cenário de oferta para soja americana e preços podem buscar novos níveis no mercado internacional.

No mercado de cargas da soja, o ritmo de compra da China não aumentou, já que as margens de esmagamento permaneceram negativas em meio à contínua liquidação, segundo informações obtidas pela equipe do Grupo SAG-KK. Nesse cenário, os preços internacionais da oleaginosa caíram. 

Os  futuros de  óleo de soja  e farelo  de soja  de  Dalian foram  negociados  em  baixa,  com  o primeiro caindo cerca de 2% no dia. Uma remessa de junho foi negociada a 145 c/bu sobre os futuros de julho com base no CFR China durante a noite, mas os compradores e vendedores desapareceram em grande parte, já que não estavam dispostos a fazer nada antes do lançamento do influente relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o qual será emitido hoje.

As ofertas inciciaram o dia ligeiramente mais baixas, como resultado da demanda tranquila e taxas de frete mais fracas. O embarque de abril foi oferecido a 137 c/bu sobre os futuros de maio contra nenhuma oferta firme, e as ofertas para o embarque de julho foram ouvidas a 168 c/bu sobre o futuro de julho. O indicador CFR China para o embarque em maio da opção mais barata foi avaliado em 132 c/bu sobre o futuro de maio, equivalente a $ 552/t, queda de  $ 9,50/t em relação à avaliação anterior. 

INDICADOR DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA - PARANAGUÁ
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$
31/03/2021 173,3 0,97% 3,49% 30,82
30/03/2021 171,64 -0,60% 2,50% 29,87
29/03/2021 172,68 0,37% 3,12% 29,94
26/03/2021 172,05 0,62% 2,75% 29,94
25/03/2021 170,99 0,49% 2,11% 30,17

Na origem, três carregamentos de maio foram negociados no mercado de papel de Paranaguá a preços de menos 20 c/bu, menos 17 c/bu e menos 15 c/bu contra o futuro de maio. A  base para embarques à vista ficou um pouco mais firme em meio à valorização do real. Os embarques de abril e maio foram avaliados 3-4 c/bu mais  alto  a  menos  19  c/bu  e  menos  15  c/bu  para futuros de maio, respectivamente. 

Com a forte queda de Chicago, a leve queda do dólar, a queda do farelo nos preços do mercado interno e o próprio nível muito elevado dos preços do grão fizeram os compradores se retraírem ou apresentarem preços cerca de R$ 2,90 ou 1,69% menores do que os do dia anterior. As informações são do Grupo SAG-KK. 

Com  isto, poucos e apenas pequenos negócios foram efetuados, porque os vendedores costumam se retrair com mercados em baixa (e deixam subir quando os mercados sobem). Somente os preços futuros é que se mantiveram estáveis. Mercado futuro para 2021: R$ 173,20 Entrega Imediata; R$ 172,50 abril; R$ 173,50 maio; R$ 175,50 junho; R$ 177,00 julho; R$ 178,50  agosto. Mercado futuro para 2022: R$ 156,00 março; R$ 156,20 abril; R$ 158,50 maio.

Em Santa Catarina, os preços recuaram , nesta manhã,  para R$169,00. Segundo especialistas, em um melhor momento os preços alcançaram até R$171,00 em Santa Catarina, no entanto, como resposta às baixas gerais, o mercado fechou em RS169,00 com nenhum volume sendo negociado. O motivo da queda seria mais semelhante ao do Paraná, baixa oferta e baixa demanda também, com olhos muito abertos  ao relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) que será divulgado hoje a tarde.

No Paraná, os preços recuam um real/saca. Com  vendedores  e  compradores  à  espera  do  relatório USDA o mercado sofreu um congelamento completo no Paraná  com  nenhuma  soja  ou  outro  grão  sendo negociado da região. Os  preços também  sentiram  os  efeitos  e  acabaram  por cair em  cerca  de R$1,00 nesta manhã.

No Brasil, os prêmios da soja despencaram ao final desta quarta-feira, compensando o limite de alta na Bolsa de Chicago. Para a posição abril, por exemplo, os preços ficaram negativos entre 30 e 35 centavos de dólar. Ainda assim, os ganhos obtidos com o avanço das cotações na CBOT seguem garantindo boa renda ao produtor brasileiro na safra 2021/22. 

Há referências para o ano que vem, no porto de Rio Grande, sobre rodas porto a R$ 158,00 por saca, ou chegando a R$ 158,60 em Paranaguá para março de 2022. 

"Tem cenários muito otimistas para a soja brasileiro (...) Nós acreditamos que ano bom para o produtor rural é quando tem lucro. Portanto, uma soja de R$ 150,00 a R$ 155,00 por saca, no noroeste gaúcho, confere uma excelente rentabilidade. E os produtores deveriam olhar pra essa rentabilidade futura e se proteger na Bolsa de Chicago com um seguro de alta", explica o analista de mercado da Agrinvest Commodities. 


SUGAR - AÇUCAR

 

May NY world sugar 11 (SBK21) on Wednesday closed down -0.15 (-1.01%), and May London white sugar 5 (SWK21) closed down -9.80 (-2.28%) at $420.00.

Sugar prices on Wednesday tumbled to 3-month lows. Sugar prices remain under pressure demand concerns and abundant supplies. Brazil reported a record of 3,780 Covid deaths on Tuesday, which may prompt the government to extend lockdowns that crimp fuel demand and may force Brazil&39;s sugar mills to divert more cane crushing toward sugar production rather than ethanol production, thus boosting sugar supplies.

US$/MT
433,46
Preço $/MT sem premio 
 

Sugar prices are also being undercut by demand concerns as a third Covid wave in Europe has prompted France, Germany, and Italy to widen their pandemic lockdown measures, which will reduce economic growth and commodity demand.

Signs of abundant global sugar production are negative for prices. Unica reported last Thursday that Brazil&39;s Center-South sugar production Oct through mid-Mar was up +44% y/y to 38.287 MMT. The percentage of cane used for sugar rose to 46.16% in 2020/21 34.38% in 2019/20. Also, researcher Datagro on March 10 projected that the global sugar market in 2021/22 would shift to a surplus of +1.1 MMT after a -2.6 MMT deficit in 2020/21.

Increased sugar output India, the world&39;s second-biggest sugar exporter, is negative for sugar prices. India&39;s Sugar Mills Association reported March 17 that India&39;s Oct-Mar 15 sugar production rose +20% y/y to 25.87 MMT. The India Sugar Trade Association on Feb 11 forecast that 2020/21 India sugar production will increase +9% y/y to 29.9 MMT.

US$/MT
420,00
Preço $/MT sem premio 
 

Sugar prices have underlying support concern about the possibility of reduced sugar exports Brazil. On Feb 22, Brazil reported that current shipping delays for its soybean exports might curb global sugar supplies because the queue of vessels waiting at Brazilian ports is so large that bottlenecks will likely continue until May when sugar is normally the biggest crop for export.

Sugar also has support falling production in Thailand, the world&39;s second-largest sugar exporter. The Thailand Office of the Cane & Sugar Board reported March 17 that Thailand&39;s 2020/21 sugar production Dec 10-Mar 15 fell -8.2% y/y to 7.5 MMT.

Signs of smaller sugar exports India are another positive factor for sugar prices. The Indian Sugar Mills Association (ISMA) said March 17 that India&39;s sugar mills had contracted only 4.3 MMT of sugar exports this year, below the government&39;s export target of 6 MMT due to a shortage of shipping containers.

As cotações futuras do açúcar encerraram a sessão desta quarta-feira (31) com perdas de mais de 1% nas bolsas de Nova York e Londres. O mercado acompanhou a queda moderada do petróleo nesta tarde, além de seguirem as preocupações com a demanda e expectativa de superávit.

O principal vencimento do açúcar na Bolsa de Nova York, o maio/21, encerrou o dia com queda de 1,01%, cotado a US$ 14,77 c/lb, com máxima no dia de 15,03 c/lb e mínima de 14,67 c/lb. O tipo branco em Londres finalizou a sessão com recuo de 2,28%, a US$ 420,00 a tonelada.

Depois de fecharem próximas da estabilidade na última sessão, as cotações do açúcar nas bolsas externas tiveram reajustes baixistas no final dos trabalhos desta quarta, com mínimas do final de 2020 na Bolsa de Nova York com atenção principal para a demanda.

"Os preços do açúcar continuam sob pressão devido às preocupações com a demanda e oferta abundante", destacou em relatório a Barchart.

INDICADOR DO AÇÚCAR CRISTAL ESALQ/BVMF - SANTOS
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS  
31/03/2021 104,15 -2,49% -4,68%  
30/03/2021 106,81 -1,21% -2,24%  
29/03/2021 108,12 -0,06% -1,04%  
26/03/2021 108,19 1,77% -0,98%  
25/03/2021 106,31 -2,01% -2,70%  
Nota: Reais por saca de 50 kg, com ICMS (7%) .    
  media R$ 106,72    
  valor saco $ 18,95    
  valor ton $ 379,10  porto santos - FAS - icmusa 130 - 180
                          com 7% icms  
US$/MT
369,98
379,43
384,09
384,33
Preço $/MT sem premio 

O Brasil registrou um recorde de 3.780 mortes de Covid na terça-feira. A consultoria diz que o cenário pode prorrogar os isolamentos com impacto para a demanda por combustíveis e forçar as usinas de açúcar do Brasil a desviarem a moagem para o açúcar.

No mundo, o mercado já acompanha uma chamada terceira onda da Covid-19 na Europa. Países como a França, Alemanha e Itália ampliaram suas medidas de restrição à pandemia, o que poderá reduzir o crescimento econômico e a demanda por commodities.

No financeiro, a atenção no dia foi para as perdas moderadas do petróleo diante de preocupações do mercado com a recuperação, já que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep) reduziu sua previsão de crescimento da demanda em 2021.

A terça-feira foi marcada por novas perdas no mercado físico. O Indicador CEPEA/ESALQ do açúcar, cor Icumsa de 130 a 180, mercado paulista, recuou 1,21%, a R$ 106,81 a saca de 50 kg.

Já no Norte e Nordeste do Brasil, o açúcar registrou estabilidade, a R$ 112,10 a saca, segundo dados da Datagro.

O açúcar VHP, em Santos (SP), tinha na véspera o preço FOB cotado a US$ 16,28 ($468/MT)  c/lb, com estabilidade.

 


 

 

› FONTE: Floripa News (www.floripanews.com.br)

Comentários