Floripa News
Cota??o
Florian?polis
Twitter Facebook RSS

Soja tem referências acima dos US$ 32/saca FOB Paranaguá, como não se via desde 2013/14

Publicado em 14/01/2021 Editoria: AgroNews Comente!


CORN -MILHO

A Bolsa de Chicago (CBOT) ganhou força ao longo do dia e encerrou a quinta-feira subindo para os preços internacionais do milho futuro. As principais cotações registraram movimentações positivas entre 6,75 e 10,75 pontos.

O vencimento março/21 foi cotado à US$ 5,34 com ganho de 9,75 pontos, o maio/21 valeu US$ 5,37 com elevação de 10,00 pontos, o julho/21 foi negociado por US$ 5,34 com valorização de 10,75 pontos e o setembro/21 teve valor de US$ 4,84 com alta de 6,50 pontos.

Esses índices representaram elevações, com relação ao fechamento da última quarta-feira, de 1,91% para o março/21, de 1,90% para o maio/21, de 1,91% para o julho/21 e de 1,47% para o setembro/21.

miho
     
Chicago (CME)
CONTRATO US$/bu VAR
mar/21 534,25 9,75
MAY 2021 537,75 10
jul/21 534,75 10,75
SEP 2021 484 6,5
Última atualização: 17:02 (14/01)

Segundo informações da Agência Reuters, os futuros de milho estavam firmes, se recuperando da fraqueza da noite para o dia, com o mercado focado na oferta restrita.

“O milho recebeu um novo impulso depois que a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos disse que não iria decidir sobre a questão-chave de isentar algumas refinarias de petróleo das leis de mistura de biocombustíveis”, destaca Mark Weinraub da Reuters Chicago.

“O corte do USDA nas estimativas de produtividade da safra de milho no relatório de terça-feira ainda está soando nos ouvidos do mercado”, disse Tobin Gorey, diretor de estratégia agrícola do Commonwealth Bank of Australia.

O preço do milho está subindo também no mercado internacional, de acordo com informações divulgadas pela TF Agroeconômica. “Nos mercados à vista, a demanda continuou limitada, sem novos avisos de vendas de exportação para os EUA, apesar da China ter comprado cerca de 500.000 toneladas de soja ontem”, afirma. 

“No  Golfo,  as  ofertas  premium  para  fevereiro estiveram  estáticas,  com  a  primeira  metade  do  mês sendo oferecida a 110 c/bu sobre os futuros de março e para a segunda metade do mês a 105 c/bu. E no PNW eles ficaram igualmente inalterados em 132 c/bu  sobre  os  futuros  de  maio  para  embarque  em maio, sem indicações anteriores vista”, indica. 

A atividade no Brasil permaneceu limitada, sem indicações vistas antes de julho, e as ofertas para julho estáveis em 97 c/bu contra nenhuma oferta clara. “Na Argentina, as ofertas para  fevereiro caíram 5 c/bu para  145  c/bu  sobre o  março futuro  sem ofertas claras”, completa. 

“No Mar Negro, uma proposta oficial do ministério da agricultura russo chegou às manchetes nesta quarta-feira, informando que uma tarifa de exportação de € 25/t será implementada para o milho e de € 10/t para a cevada. A tarifa está prevista para ser introduzida a partir de 15 de março e cobre todas as exportações dentro da cota de grãos de 17,5 milhões de toneladas  que estará em vigor até então.

Na  Ucrânia,  os  preços  do  milho  subiram  significativamente,  com  ofertas  chegando  a  US$  265/t,  enquanto  os lances aumentaram para US$ 258- $ 260/t FOB HIPP”, conclui a TF Consultoria Agroeconômica. 

Os preços futuros do milho operaram em campo misto durante toda a quinta-feira na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registraram movimentações entre 0,05% negativo e 2,00% positivo ao final do dia.

O vencimento janeiro/21 foi cotado à R$ 84,25 com queda de 0,05%, o março/21 valeu R$ 88,23 com valorização de 2,00%, o maio/21 foi negociado por R$ 84,00 com ganho de 1,25% e o julho/21 teve valor de R$ 77,60 com elevação de 1,64%.

miho
     
  B3 (Bolsa)  
jan/21 84,24 -0,01%
mar/21 88,52 0,33%
mai/21 84,31 0,37%
jul/21 77,6 1,64%
Última atualização: 18:00 (14/01)

Para o analista de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, o que influenciou as movimentações da B3 nesta quinta-feira foi o câmbio em baixa com o dólar recuando ante ao real.

“O dólar em queda acaba tirando um pouco do ganho que vem da exportação que hoje paga entre R$ 83,00 e R$ 85,00 nos portos, que é basicamente o mesmo nível de ontem. Então a B3 trabalha com um pouco mais de liquidação com o câmbio mais frágil”, explica o analista.

Brandalizze ainda destaca que esta é uma boa semana para o produtor fazer fixações tanto para a safra de verão quanto para a próxima safrinha.

De acordo com a TF Agroeconômica, os preços do milho no mercado físico estão inalterados no Rio Grande do Sul, com início da colheita da safra de verão. “O comprador grande está indicando R$ 83,00 interior; no picado R$ 85,00 e vendedor falando em R$ 85,00 interior As novas quedas de Chicago e do dólar não afetaram os preços internos no estado, que tem vida própria e dinamismo particular”, comenta a consultoria. 

O estado de Santa Catarina continua comprando do Paraguai, que está competitivo. “Os  compradores  de  Santa  Catarina  subiram  suas pedidas para oferecendo R$ 78,00 no Oeste do estado e R$ 77,00 o Meio Oeste, eventualmente até R$ 80,00, contra vendedores ao redor de R$ 82,00 ou mais.

O  estado  tem  comprado  milho  do  Paraguai ultimamente  a  preços  de  US$  255  Xanxerê  (última cotação  caiu  para  US$  250),  US$  248  São  Miguel  do Oeste (US$ 245),US$ 250 Itapiranga”, completa. 

No Paraná, os compradores subiram mais dois reais para R$ 82,00/saca no spot. “Preço  de  comprador  do  milho  spot  subiu  mais  dois reais/saca  para  R$  82,00  nos  Campos  Gerais,  mas poucas ofertas. Vendedor acima de R$ 83,00/saca. Sem indicação nas fábricas dos Campos Gerais. Milho futuro permaneceu em R$ 83,00 em Paranaguá para fevereiro/março de 2021. Indicação de comprador manteve a alta do dia anterior em R$ 76,00 para março/abril de 2021, posto fábrica”, indica. 

Além disso, os preços continuaram inalterados e sem negócios nesta quarta-feira. “Os  preços  do  milho  permaneceram  inalterados  nesta quarta-feira  no  Mato  Grosso  do  Sul,  com  Santa Catarina preferindo comprar do Paraguai. O  estado  é  um  grande  fornecedor  de  matéria-prima para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, em que pese a proximidade e a abundância do Paraná e os bons preços do Paraguai”, conclui. 

INDICADOR DO MILHO ESALQ/BM&FBOVESPA (Mercado)
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS
14/01/2021 84,28 0,49% 7,16%
13/01/2021 83,87 0,66% 6,64%
12/01/2021 83,32 0,82% 5,94%
11/01/2021 82,64 0,05% 5,07%
08/01/2021 82,6 -0,06% 5,02%
       

A comercialização de milho dos estoques do governo federal pôde beneficiar mais de 16 mil pequenos criadores de todas as regiões brasileiras. As vendas realizadas em 2020 pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), por meio do Programa de Vendas em Balcão (ProVB), superaram as 144 mil toneladas, aumento de cerca de 7% sobre o volume do cereal vendido em 2019.

As operações geraram uma receita de   R$ 141,2  milhões, valores que tiveram origem em grande parte do Nordeste, região para onde foi destinada mais de 100 mil toneladas do milho e atendido o maior número de clientes (11 mil). O Ceará registrou o maior volume comercializado, superando a marca de 30 mil toneladas, seguido do Rio Grande do Norte com cerca de 20 mil toneladas e do Rio Grande do Sul com a venda de 16 aproximadamente 16 mil toneladas.

O programa, operacionalizado pela Conab,  permite que criadores rurais de pequeno porte de aves, suínos, caprinos e outros tenham acesso aos estoques de milho do governo de forma direta e a preços similares aos das praças de comercialização.  Com isso, ajuda na manutenção dos negócios, na geração de emprego e renda, evitando a migração para os grandes centros urbanos. 

Além disso, o ProVB contribui para a renovação dos estoques, reduzindo a depreciação comercial dos produtos, a partir da remoção dos produtos armazenados em armazéns próprios e credenciados localizados na região Centro-Oeste para o público consumidor.

 

SOYBEAN - SOJA

Os preços da soja voltam a subir na Bolsa de Chicago nesta manhã de quinta-feira (14) e fechando com dias com avanço de mais de 1,5% sobre o preço de ontem. Isto depois de realizar os lucros da sessão anterior. Ao final do dia os contratos mais negociados ganhavam entre 24 e 25,5 pontos, levando o março a US$ 14,30 e o julho a US$ 14,13 por bushel. 

SOJA - CME - CHICAGO
CONTRATO US$/bu Variação (cts/US$) Variação (%)
jan/21 14,365 25,5 1,81
mar/21 14,305 24,25 1,72
mai/21 14,2775 24 1,71
jul/21 14,1325 24,75 1,78
Última atualização: 17:00 (14/01)  

Depois da disparada da terça e da correção da quarta-feira, o mercado voltou a disparar  e para isto se voltou novamente a seus fundamentos , sendo que o foco principal permanece o clima na Argentina - ainda muito seco e castigando o nova safra do país. Paralelamente, atenção ainda ao comportamento da demanda, em especial nos EUA, onde as vendas voltaram a ser mais frequentes nesta semana. 

Os traders acompanham também a direção do dólar, tanto frente ao real quanto diante de outras divisas, a questão da inflação dos alimentos que vem sendo registrada em todo mundo, que poderia vir, em determinado momento, a racionar a demanda por alguns produtos. 

No médio prazo, o mercado também já se prepara para as primeiras especulações mais fortes sobre a nova safra de grãos dos Estados Unidos. Já é sabido que o país deve registrar uma intensa disputa por área entre soja e milho frente, justamente, ao bom momento de preços tanto para o grão, quanto para a oleaginosa. 

De acordo com a TF Agroeconômica, o preço da soja recuou em quase todas as praças no mercado internacional. Na China, os britadores continuaram a buscar embarques em fevereiro de todas as principais origens, já que a necessidade de cobertura da demanda aumentava devido a preocupações com o potencial atraso da safra no Brasil”, comenta. 

“As ofertas para o embarque de fevereiro do Golfo foram ouvidas em torno de 220 sobre os futuros de março na base CFR China, o que equivalia a cerca de 105-110 c/bu sobre os futuros de março em termos FOB. A  mesma  remessa  do  PNW  permaneceu  em  cerca  de 200c/bu  em  relação  ao  março  futuro,  enquanto  que para a origem do Brasil foi 30-40 c/bu menor”, completa. 

SOJA - PREMIO
CONTRATO VALOR
jan/21 40
mar/21 45
abr/21 45
mai/21 50
Última atualização: 14/01/2021

O marcador APM-6 CFR China para remessa de fevereiro da opção mais barata foi avaliado em 165 c/bu sobre março futuro, equivalente a $ 578,75/t, queda de $ 3,75/t em relação à avaliação anterior. “Em  termos  de  caixa  no  Brasil,  os  prêmios  próximos enfraqueceram e a curva se manteve firme a mais forte - uma dinâmica que refletiu os futuros. Nenhuma  negociação  foi  ouvida  até  o  momento  da publicação, mas os primeiros embarques para fevereiro e março foram atrelados a 66 c/bu e 43 c/bu sobre o março futuro, respectivamente”, indica. 

“No  Golfo,  as barcaças  e os prêmios  de carga permaneceram  estáveis em  meio  ao  comércio  estreito, com  a  única orientação sendo as cargas PNW em uma base CFR que foram arrematadas para fevereiro a um preço de 195-200 c/bu sobre o março futuro. Com  as  taxas  de  frete  atuais  que  equivalem  a  120-125  c/bu  em  base  FOB  PNW  e  um  preço  fixo  de  US$  564/t. Uma carga para embarque em fevereiro ex-Golfo dos EUA pode esperar mudar de mãos por US$ 553/t”, conclui. 

As importações de soja da China saltaram 13% para um recorde anual em 2020, dados alfandegários mostraram na quinta-feira, depois que os britadores aumentaram as compras em meio a margens melhoradas e demanda saudável do setor de suínos em rápida recuperação do país.

A China, maior comprador mundial de soja, comprou 100,33 milhões de toneladas da oleaginosa em 2020, ante 88,51 milhões de toneladas em 2019, segundo a Administração Geral das Alfândegas.

Somente para dezembro, as importações chegaram a 7,524 milhões de toneladas, queda de 27% em relação às 9,54 milhões de toneladas do ano anterior e queda também em relação às 9,59 milhões de toneladas de novembro.

“As importações de soja em dezembro foram menores do que o esperado, provavelmente devido a atrasos nos embarques”, disse Xie Huilan, analista da consultoria agrícola Cofeed. Mas os números anuais corresponderam às expectativas, disse Xie, já que a demanda estava boa enquanto a China trazia mais cargas dos EUA.

A China está reconstruindo seu rebanho de porcos, que foi devastado pela doença mortal da peste suína africana, com a população de porcos agora se aproximando dos níveis normais, de acordo com a mídia estatal.

A demanda continua muito forte, de acordo com um gerente de uma esmagadora de soja no norte da China.

“As importações no Ano Novo devem atingir um novo recorde”, acrescentou ele, recusando-se a ser identificado porque não estava autorizado a falar com a mídia.

           
Preço soja referência (chicago ):$/MT 542,52   14/jan
           
Preço Brasil - esalq - Paranaguá: $/MT 544,08   14/jan
           
Preço Brasil - Paranaguá: $/MT 543,83   14/jan
PREÇO REFERÊNCIA FAS PARANAGUÁ NET.  Preço Brasil MI = R$ 170,00 por saca
           

Os trituradores compraram soja brasileira no início de 2020 e se voltaram para os carregamentos dos EUA no quarto trimestre, quando os grãos americanos chegaram ao mercado, e quando Pequim aumentou as compras de produtos agrícolas dos EUA para cumprir os termos do acordo comercial da China com os Estados Unidos.

As importações de soja dos EUA em 2020 na China aumentaram 56,3% em relação ao ano anterior em termos de yuans, disse o porta-voz da alfândega do país em uma coletiva de imprensa na quinta-feira.

As exportações de farelo de soja da Índia podem mais do que dobrar em 2020/21, depois que uma alta nos preços globais para uma máxima de seis anos e meio tornou os embarques do país do sul da Ásia lucrativos para compradores europeus e asiáticos, disseram quatro autoridades da indústria à Reuters.

As maiores exportações da Índia podem reduzir os embarques de farelo de soja da América do Sul para a Ásia e também apoiar os preços locais da soja, apesar de um surto de gripe aviária atingir a demanda da indústria local de ração.

As exportações de farelo de soja da Índia podem saltar para mais de 2 milhões de toneladas no ano 2020/21, que começou em 1º de outubro, de 825.000 toneladas embarcadas no ano anterior, disse Atul Chaturvedi, presidente da Associação de Extratores de Solventes da Índia.

  soja US$ 5,21
       
  B3 (Bolsa)    
CONTRATO US$/sc R$/sc VAR
mar/21 31,6 164,636 1,61%
   
Última atualização: 16:14 (1401)

Os futuros de farelo de soja nos EUA atingiram uma alta de seis anos e meio nesta semana devido ao aperto na oferta e à robusta demanda da China.

"A gripe aviária na Índia está afetando o consumo local. É uma grande oportunidade para as refeições indianas saírem do país", disse Chaturvedi.

A demanda por produtos avícolas caiu na Índia depois que a gripe aviária foi relatada em 10 Estados.

"As exportações de farelo de soja caíram no ano passado, pois nossos preços estavam muito acima dos benchmarks globais. Os preços indianos agora são competitivos, pois os preços globais se recuperaram", disse Davish Jain, presidente da Associação de Processadores de Soja da Índia (SOPA).

INDICADOR DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA - PARANAGUÁ
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$
14/01/2021 170,08 -0,35% 10,51% 32,69
13/01/2021 170,68 -0,02% 10,90% 32,2
12/01/2021 170,72 1,31% 10,93% 32,01
11/01/2021 168,51 1,75% 9,49% 30,69
08/01/2021 165,61 1,07% 7,61% 30,58
         

Descolados de Chicago e dólar, os preços da soja continuam a subir no estado do Rio Grande do Sul por falta de matéria-prima, segundo informações divulgadas pela TF Agroeconômica. “A grande  deficiência de matéria-prima no estado está elevando os preços da soja no interior do Rio Grande do Sul, com grande disputa entre indústrias locais e Tradings.  Estas estão vencendo no porto e no entroncamento rodo-ferroviário de Cruz Alta, mas, nas demais regiões as indústrias conseguem se impor. O preço futuro subiu R$ 2,0/saca no porto gaúcho de Rio Grande, para maio de 2021. O preço para junho recuou três reais/saca para R$ 170,50/saca”, comenta. 

No Paraná, os preços permanecem de inalterados a mais fracos em dia de pouco movimento. “Soja  spot  recuou  cinco  reais/saca  para  R$  150,00  o preço  no  balcão.  No  mercado  de  lotes,  os  preços subiram em  média  um  real/saca para R$  168,00 posto em Ponta Grossa, pagamento final de janeiro de 2021. Soja  futura  os  preços  permaneceram  em  R$  165,00 Ponta Grossa para safra 2021 abril/abril”, completa. 

Soja tem referências acima dos US$ 32/saca FOB Paranaguá, como não se via desde 2013/14.

Com queda do dólar e de Chicago, mercado fica na expectativa em Minas Gerais. “Com a queda de 11 pontos em Chicago e de 0,23% do dólar nesta quarta-feira, os compradores não puderam elevar  mais  do  que  um  real/saca  os  preços  oferecidos aos possíveis vendedores. Com isto, não foram conhecidos negócios novos. A  lucratividade  da  soja  continua  por  volta  de  87,93% em Minas Gerais”, indica. 

No Mato Grosso do Sul, os preços permaneceram inalterados. “Com Chicago e dólar caindo, as Tradings e esmagadoras não  puderam  melhorar  as  suas  ofertas  e  os  preços permaneceram  inalterados  nesta  quarta-feira e quinta-feira,  no estado. Também  por  isto,  não  houve  negócios  reportados, permanecendo  tudo  como  dantes  no  quartel  de Abrantes”, conclui. 


SUGAR - AÇUCAR 
 

March NY world sugar 11 (SBH21) on Thursday closed up +0.83 (+5.24%), and March London white sugar 5 (SWH21) closed up +18.20 (+4.08%).

Sugar prices on Thursday rallied sharply as NY and London sugar both posted 3-1/2 year nearest-future highs. The outlook for tighter global sugar supplies is fueling fund-buying of sugar futures. Citigroup on Thursday raised its 2021 sugar price estimate to 14.7 cents/lb 13.6 cents/lb, citing "disappointment in the scale" of the government of India&39;s subsidy for sugar exports.

Sugar prices have rallied sharply over the past month on the outlook for tighter global supplies along with solid demand Asia. Alvean, the world&39;s largest sugar trader, said last Tuesday that it expects the global sugar market to be in a deficit of 5 MMT in 2020/21 and 6 MMT in 2021/22, providing the most "constructive" backdrop for sugar prices since 2016.

Sugar prices also found support on strength in the Brazilian real, which surged +2.00% Thursday to a 1-1/2 week high against the dollar. A stronger real discourages export selling by Brazil&39;s sugar producers.

Recent strength in crude oil prices benefits ethanol prices and is bullish for sugar prices. Crude oil prices on Wednesday rallied to 10-3/4 month nearest-futures high, which encourages Brazil&39;s sugar mills to divert more cane crushing toward ethanol production rather than sugar production, thus curbing sugar supplies.

Smaller sugar output Thailand, the world&39;s second-largest sugar exporter, is also bullish for sugar prices. Tuesday&39;s data the Thailand Office of the Cane & Sugar Board showed that Thailand&39;s sugar production for the first month of the 2020/21 sugar season Dec 10-Jan 7 was 1.3 MMT, down -54% y/y. Also, the Thai Sugar Millers Corp reported last Friday that Thailand&39;s cane output in the first month of the 2020/21 crushing season through January 6 was 11.96 MT, down -45.6% the same time last year.

Sugar prices have underlying support solid sugar demand Asia. Sugar demand in Indonesia, the world&39;s top importer, is a bullish factor for sugar prices after Indonesia&39;s Trade Ministry December 30 said it would allow sugar refiners to import 1.93 MMT of raw sugar in the first half of 2021. Also, Indonesia&39;s Sugar Refivers Association recently said that it expects Indonesia&39;s sugar imports to climb +10% y/y to a record 3.3 MMT in 2021 due to higher demand the food and beverage industry. In addition, robust sugar demand in China, the world&39;s second-largest sugar importer, is positive for prices after China&39;s General Administrations of Customs reported on December 24 that China&39;s Nov sugar imports surged +114% y/y to 710 MT and Jan-Nov China sugar imports rose +37.3% y/y to 4.36 MMT.

Data Unica on Wednesday showed that Brazil Center-South sugar production in the second half of December fell -13.7% y/y to 11,000 MT.

However, 2020/21 Brazil Center-South sugar production through December is up +44% y/y to 38.195 MMT, with the percentage of cane used for sugar climbing to rose to 46.22% in 2020/21 34.48% in 2019/20.

Slack demand for Brazilian ethanol may prompt Brazil&39;s sugar mills to divert more cane crushing toward sugar production rather than ethanol production, which would boost sugar supplies and is bearish for prices. Unica reported Wednesday that Brazil Center-South domestic ethanol sales

in December fell -6.6% y/y to 1.75 billion liters. Since the beginning of the season in April, domestic Brazil ethanol sales are down -18% y/y to 14.5 billion liters.

The outlook for more sugar supplies India is bearish for sugar prices. The Indian Sugar Mills Association reported on December 24 that India&39;s sugar production Oct 1-Dec 15 jumped +61% y/y to 7.38 MMT. On November 19, the USDA&39;s Foreign Agricultural Service (FAS) estimated that India&39;s 2020/21 sugar production would climb +16.8 % y/y to 33.76 MMT, and India&39;s sugar exports will climb +3.5% to 6.0 MMT. Also, the Indian government on December 16 authorized spending 35 billion rupees ($475 million) to help subsidize Indian sugar producers to export as much as 6 MMT in the 2020/21 season.

Sugar prices have underlying support dry conditions in Brazil that may curb sugarcane yields and reduce Brazil&39;s sugar production. Irregular rain in Brazil&39;s sugar-growing areas is keeping soil moisture levels below normal. The U.S. Climate Prediction Center said on Thursday that a La Nina weather pattern would likely last at least u

INDICADOR DO AÇÚCAR CRISTAL ESALQ/BVMF - SANTOS
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$  
14/01/2021 104,54 -0,01% -2,83% 20,09  
13/01/2021 104,55 -0,82% -2,83% 19,73  
12/01/2021 105,41 -0,27% -2,03% 19,77  
11/01/2021 105,7 -0,33% -1,76% 19,25  
08/01/2021 106,05 -0,32% -1,43% 19,58  
Nota: Reais por saca de 50 kg, com ICMS (7%) .      
  media R$ 105,25      
  valor saco $ 20,20      
  valor ton $ 404,03  porto santos - FAS - icmusa 130 - 180
                          com 7% icms    
           

Os últimos dias foram marcados por importantes divulgações do setor sucroenergético. onde a União das Indústrias de Cana-de-Açúcar (Unica) trouxe números atualizados para a safra brasileira em seu levantamento quinzenal.

A moagem acumulada desde o início da safra 2020/2021, até 01 de janeiro de 2021, somou 597,36 milhões de toneladas no Centro-Sul do país. Um crescimento de 3,16% no comparativo com o mesmo período do último ciclo agrícola.

A produção acumulada de açúcar no mesmo período atingiu 38,20 milhões de toneladas, com crescimento de 44,22% no comparativo com o mesmo período da safra passada. A produção de etanol até 01 de janeiro de 2021, por sua vez, atingiu 9,59 bilhão de litros de etanol anidro (-2,70%) e 19,71 bilhão de litros de etanol hidratado (-11,60%).

Apesar disso, Arnaldo Luiz Corrêa, diretor da Archer Consulting, diz que o mercado já precificava os dados reportados pelo Unica e agora os operadores estão mais atentos para atualizações da safra 2021/22 diante da seca no Brasil, expectativas com menor trato cultural e redução de área.

"Esses números da Unica já estavam absorvidos pelo mercado, mas o importante é a visão para a próxima safra, 2021/22, que começará a ser moída em março, e já se fala de uma quebra esperada de 2% a 4%", disse Arnaldo Luiz Corrêa.

Ainda sobre o mercado brasileiro, o analista diz que muitas usinas conseguiram fixar negócios para as próximos safras aproveitando os preços excelentes praticados ao longo da última safra.

Corrêa vê como fatores baixistas aos preços futuros no médio e longo prazos as expectativas de uma produção elevada na Índia e o menor consumo mundial de açúcar no mundo ainda em decorrência da pandemia do coronavírus.

A multinacional Cargill está negociando a venda de sua participação no mercado de cana-de-açúcar para a Copersucar, que confirmou para a imprensa a decisão na quarta-feira (13). As empresas estavam desde 2014 à frente da joint venture Alvean, maior comercializadora de açúcar do mundo. Segundo informações de agências internacionas, a empresa deve concentrar seus investimentos em processamento de alimentos e carnes.

“A Alvean continua líder nos mercados globais de açúcar e não há mudanças em sua estrutura ou na forma como atende seus clientes. Os dois acionistas discutem um acordo em que a Copersucar se tornará a única proprietária, adquirindo as ações da Cargill na Alvean”, disse em nota a Copersucar.

A negociação ainda está em andamento e, se concluída, será informada ao mercado.

Após quedas expressivas em 2020, os preços no mercado do açúcar estão neste momento próximos das máximas desde 2017.

 

 

› FONTE: Floripa News (www.floripanews.com.br)

Comentários