Floripa News
Cota??o
Florian?polis
Twitter Facebook RSS

Análise diaria mercado agricola milho soja açucar

Publicado em 10/12/2020 Editoria: AgroNews Comente!


CORN - MILHO 
 

Os preços internacionais do milho futuro começaram o dia em alta na Bolsa de Chicago (CBOT) à espera do novo relatório de oferta e demanda, mas caíram após a divulgação. As principais cotações registraram movimentações negativas entre 1,75 e 2,50 pontos ao final do dia.

O vencimento dezembro/20 foi cotado à US$ 4,20 com baixa de 1,75 pontos, o março/21 valeu US$ 4,21 com desvalorização de 2,50 pontos, o maio/21 foi negociado por US$ 4,24 com perda de 2,25 pontos e o julho/21 teve valor de US$ 4,25 com queda de 1,75 pontos.

Esses índices representaram baixas, com relação ao fechamento da última quarta-feira, de 0,47% para o dezembro/20, de 0,47% para o março/2, de 0,47% para o maio/21 e de 0,47% para o julho/21.

miho  
       
  B3 (Bolsa)    
jan/21 72,5 -0,56%  
mar/21 73,2 -0,41%  
mai/21 70,6 -0,91%  
jul/21 66 -1,05%  
Última atualização: 18:00 (10/12)  
   

Segundo informações da Agência Reuters, os futuros de milho caíram na quinta-feira, depois que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) deixou sua visão de estoques de milho inalterada em um relatório mensal.

Jason Roose da US Commodities, diz que o relatório WASDE de dezembro do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) foi considerado de neutro a negativo.

“Os estoques finais permaneceram inalterados no milho desde o mês passado. As demandas de ração e etanol também permaneceram inalteradas no milho. Todas as atenções estarão voltadas para o clima na América do Sul, o dólar americano e o posicionamento do fundo até o final do ano”, diz Roose.

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) informou mais uma venda de milho para o México nesta quinta-feira (10). Foram 344,442 mil toneladas, sendo o volume total da safra 2020/21. 

De acordo com a TF Agroeconômica, o preço do milho subiu na ponta compradora do mercado internacional, mas recuou no Brasil e na Ucrânia. “Nos mercados internacionais, as ofertas no Golfo dos EUA para embarque na segunda quinzena de janeiro sofreram ainda mais pressão à medida que os estoques se acumulam após o fim da safra, com valores vistos em 124 c/bu sobre os futuros de março, 4 c/bu abaixo no dia”, comenta. 

“E os valores de barcaça CIF para o mês inteiro caíram 2 c/bu em um sinal de que o armazenamento interno está começando a atingir a capacidade com vendedores que procuram descarregar suprimentos”, completa. 

A maioria das ofertas no Brasil para janeiro estavam ausentes, apenas uma oferta solitária foi vista do porto do arco norte de Itacoatiara por 165 c/bu  sobre  os futuros de março, o que equivale a um valor de Santos de 170 c/bu. “Isso seria mais de 10 c/bu das últimas ofertas de empresas vistas no início da semana passada.

Mas para os meses de safrinha mais ativos, as foram em grande parte inalteradas com julho ofertado em 98 c/bu sobre os futuros de julho contra lances de 83 c/bu”, indica. 

“E na Argentina, a atividade de mercado foi retomada em meio à possibilidade de novas ações de greve dos sindicatos de manejo de grãos e as ofertas para março foram vistas em 120 c/bu sobre os futuros de maio contra licitações a 100 c/bu, amplamente em linha com os valores no início da semana. No mercado de milho FOB da Ucrânia, as ofertas mantiveram-se perto dos mesmos níveis que haviam sido vistos na terça-feira, com a menor oferta ouvida em US $ 228/mt FOB HIPP para o carregamento de dezembro a janeiro. Apesar da demanda em geral permanecer baixa, uma negociação foi ouvida ontem em US $ 228/t FOB HIPP para carregamento de dezembro e hoje em $226/t HIPP para carregamento de janeiro”, conclui. 

O Ministério de Agricultura, Pecuária e Pesca da Argentina divulgou seu informe semanal de estimativas agrícolas revisando atualizando seus dados para a safra de milho 2020/21. Segundo a publicação, os trabalhos de plantio da nova safra seguem avançando pelo país e já atingem 63% do total.

Este índice avança oito pontos percentuais com relação a semana anterior e fica em um ponto percentual atrás do que era registrado neste período para a safra anterior 2019/20. As regiões mais adiantadas são Bolívar, Junin, Pergamino, Salliqueló, Tandil, Corrientes e Tres Arroyos (100%), Bahia Blanca e Pehuajá (96%), Paraná, Rosario del Tala e Entre Ríos (95%) e Buenos Aires (94%).

O Ministério também detalhou a situação das lavouras nas principais regiões do país. Em Buenos Aires, por exemplo, o milho começou a florir na delegação de Pergamino. “O desenvolvimento em todos os casos é muito bom, até o momento não tiveram nenhum efeito de déficit de umidade no perfil ou temperaturas extremas”, diz a publicação sobre a delegação de Junín.

Os preços futuros do milho recuaram na Bolsa Brasileira (B3) nesta quinta-feira. As principais cotações registravam movimentações entre 3,34% negativo e 0,12% positivo por volta das 17h07 (horário de Brasília).

O vencimento janeiro/21 era cotado à R$ 72,70 com baixa de 0,29%, o março/21 valia R$ 73,59 com alta de 0,12%, o maio/21 era negociado por R$ 71,25 com perda de 3,34% e o julho/21 tinha valor de R$ 66,03 com queda de 1%.

INDICADOR DO MILHO ESALQ/BM&FBOVESPA (Mercado)
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$
10/12/2020 73,46 -0,20% -6,19% 14,58
09/12/2020 73,61 0,26% -6,00% 14,2
08/12/2020 73,42 -0,57% -6,24% 14,31
07/12/2020 73,84 -1,14% -5,71% 14,53
04/12/2020 74,69 -1,03% -4,62% 14,56
         

Os contratos do cereal brasileiro perdem força após baterem o limite de alta, subindo 5%, na terça-feira, quarta-feira e no começo desta quinta-feira.

Para o analista de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, o milho no Brasil segue em ritmo lento neste final de ano com as indústrias de ração praticamente paradas. “Não tem pressão de compra e não gira muito”, diz.

Brandalizze acredita que este cenário não deve mudar nos próximos dias, porque as lavouras da safra verão estão evoluindo em boas condições e próximas da normalidade.

miho    
         
Chicago (CME)    
CONTRATO US$/bu VAR    
DEC 2020 420,25 -1,75    
mar/21 421,25 -2,5    
MAY 2021 424,25 -2,25    
jul/21 425,75 -1,75    
Última atualização: 17:03 (10/12)  

No Rio Grande do Sul, o milho manteve o preço de R$ 78,0 no disponível e fábricas falando em R$ 72,00 janeiro, segundo o que afirmou a TF Agroeconômica. Os compradores estão bem abastecidos  e, num mercado em queda, seguem a regra básica de ficar de fora. Mesmo assim, os preços se recuperaram nesta quinta-feira.

No momento, porém, o mercado está calmo, os compradores estão esperando o início da colheita da safra local, que deverá começar ainda no final deste mês e se intensificar em janeiro.

Em Santa Catarina, os compradores adquirem 5.000 toneladas no Mato Grosso do Sul a R$ 71,00 no Oeste e R$ 73,00 no Meio Oeste. Os compradores de Santa Catarina finalmente fecharam 5.000 Toneladas de milho no Mato Grosso do Sul, com preços de R$ 71,00 no Oeste do estado e R$ 73,00 o Meio Oeste. Estes preços representam uma alta de 1 e 3 reais/saca nas pretensões dos compradores do dia anterior.

No Paraná, o mercado de milho está totalmente travado. O mercado de Paranaguá está vazio de negócios, para milho spot. Mercado futuro para março/abril de 2021 continua a R$ 63,00 posto fábrica. Mercado futuro de exportação segue a R$ 66,00 em Paranaguá para fevereiro/março de 2021. As últimas cotações para milho Safrinha de 2021, CIF Paranaguá foram para entrega15/06 a 15/07 com pagamento em 30/07/21 R$ 59,60; para entrega em agosto com pagamento em 05/09/21 R$ 58,00, queda de R$ 2,20/saca. Na Ferrovia, em Maringá, para 2021 entrega Agosto com pagamento 04/09/21 R$ 54,80.

A quinta-feira (10) termina com os preços do milho registrando poucas movimentações no mercado físico brasileiro. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, foram percebidas valorizações apenas na praça de Palma Sola/SC (1,49% e preço de R$ 68,00).

Já as desvalorizações apareceram em Não-Me-Toque/RS (1,33% e preço de R$ 74,00), Brasília/DF (1,61% e preço de R$ 61,00) e Dourados/MS (2,99% e preço de R$ 65,00).

De acordo com o reporte diário da Radar Investimentos, “a pressão de baixa no mercado físico do milho é vigente em praticamente todas as praças do Centro-Sul brasileiro. Com os grandes compradores ausentes até o final do ano, não há estímulo por parte da demanda nos próximos dias”.

Ainda nesta quinta-feira, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) divulgou seu boletim de acompanhamento da safra brasileira de grãos para o mês de dezembro e apontou que a área cultivada com milho nesta primeira safra (verão) deve ser 2,1% menor do que o registrado na temporada passada.

A publicação destaca que a semeadura do milho de primeira safra está em andamento e sendo afetada pelo atraso e inconstâncias do clima, que estão prejudicando o plantio e desenvolvimento das lavouras por todo o país.

 

SUGAR - AÇUCAR

Mar NY world sugar 11 (SBH21) on Thursday closed down -0.31 (-2.07%), and Mar London white sugar 5 (SWH21) closed down -7.60 (-1.86%).

Sugar prices on Thursday retreated a 1-1/2 week high and closed sharply lower on a surge in Brazil Center-South sugar output. Unica reported Thursday that Brazil&39;s Center-South sugar production in the second half of November rose +22.6 y/y to 427 MT. The percentage of cane used for sugar rose to 35.55% in 2020/21 23.85% in 2019/20.

INDICADOR DO AÇÚCAR CRISTAL ESALQ/BVMF - SANTOS
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$  
10/12/2020 111,96 0,85% 1,06% 22,23  
09/12/2020 111,02 0,16% 0,21% 21,42  
08/12/2020 110,84 -0,05% 0,05% 21,61  
07/12/2020 110,89 0,55% 0,09% 21,82  
04/12/2020 110,28 1,12% -0,46% 21,51  
Nota: Reais por saca de 50 kg, com ICMS (7%) .      
  media R$ 111,00      
  valor saco $ 22,02      
  valor ton $ 440,47  porto santos - FAS - icmusa 130 - 180
                          com 7% icms    

Sugar prices on Monday posted 1-month lows on signs of robust supplies. Last Thursday&39;s news showed that Brazil&39;s Nov sugar exports rose +60% y/y to 3.1 MMT. Also, last Wednesday, the India Sugar Mills Association (ISMA) reported that India Oct 1-Nov 30 sugar production surged +107% y/y to 4.29 MMT due to an early start for the crushing season.

Another bearish factor for sugar is the outlook for more sugar supplies India. Meir Commodities India Pvt on Nov 26 projected that India would export 1.5-2.0 MMT of sugar in 2020/21 without any government subsidy since neighboring countries can be expected to purchase Indian sugar rather than Brazilian sugar because of cheaper freight costs. On Nov 19, the USDA&39;s Foreign Agricultural Service (FAS) estimated that India&39;s 2020/21

sugar production will climb +16.8 % y/y to 33.76 MMT and that India&39;s sugar exports will climb +3.5% to 6.0 MMT.

Sugar mills in India have held back exports as they await news on government subsidies. The World Trade Organization (WTO) is expected to rule on the legality of India&39;s subsidies to its sugar exporters sometime this month after Brazil and Australia raised objections to the WTO about the subsidies. The ruling by the WTO has been delayed July due to the Covid pandemic.

Sugar prices had trended higher over the past two months to a 9-1/2 month high Nov 17 on concern that Brazil&39;s dry conditions may curb sugarcane yields and reduce Brazil&39;s sugar production. Irregular rain in Brazil&39;s sugar-growing areas is keeping soil moisture levels below normal. Maxar recently said that Brazil&39;s sugar-growing regions had received only 5%-25% of average rain in the past few months, leaving crops "extremely dry." Also, a La

Nina weather pattern could lead to prolonged excessive dryness in Brazil that cuts sugarcane yields.

In a bullish factor, ISO on Nov 17 cut its global 2020/21 sugar production estimate and increased its global 2020/21 sugar deficit estimate. ISO projects that global 2020/21 sugar production will increase by +0.9% y/y to 171.1 MMT. ISO also said the global 2020/21 sugar market would fall into deficit by -3.5 MT a +1.86 MMT surplus in 2019/20.

In another bullish factor, France&39;s Agricultural Ministry on Nov 16 cut its 2020 French sugar-beet production estimate to a 19-year low of 27.2 MMT an Oct estimate of 30.5 MMT due to drought. France is the largest sugar producer in the European Union.

Sugar prices are also seeing support the smaller sugar crop in Thailand, the world&39;s second-biggest sugar exporter, which has been decimated by drought. The Thailand Sugar Mills Corp said Oct 2 that Thailand&39;s 2020/21 sugar production would fall -13% y/y to an 11-year low of 7.2 MMT as dry weather this year ravaged cane plantations.

Com a safra de cana 2020/21 do centro-sul já caminhando para o final, a produção de açúcar na segunda quinzena de novembro somou apenas 427 mil toneladas, alta de 22,61% na comparação anual e o suficiente para a principal região produtora registrar marca recorde de fabricação da commodity na temporada, de 38,09 milhões de toneladas, informou a associação Unica nesta quinta-feira.

O volume de açúcar produzido na safra 2020/21 supera em 44,16% o total registrado no ciclo 2019/2020 até 1º de dezembro.

Após usinas terem fechado grandes volumes de venda de açúcar antecipadamente, aproveitando o câmbio favorável, as exportações têm sido fortes, com o centro-sul direcionando 46,30% da safra de cana para a fabricação do adoçante até o início de dezembro, ante 34,59% na mesma data da safra anterior, segundo a União das Indústrias de Cana-de-açúcar (Unica).


SOYBEAN - SOJA

 

Os futuros da soja seguem subindo expressivamente na Bolsa de Chicago nesta quinta-feira (10) enquanto espera pelo novo boletim mensal de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), às 14h (horário de Brasília). Assim, os ganhos variavam entre 10,25e 14,75 pontos, levando o janeiro a US$ 11,73 e o março a US$ 11,77 por bushel.

SOJA - CME - CHICAGO
CONTRATO US$/bu Variação (cts/US$) Variação (%)
jan/21 11,5275 -5,75 -0,5
mar/21 11,5875 -4,75 -0,41
mai/21 11,5975 -4,75 -0,41
jul/21 11,585 -4,5 -0,39
Última atualização: 17:00 (10/12)  

"O dado mais esperado é o dos estoques norte-americanos", afirma o consultor de mercado Steve Cachia, da Cerealpar e TradeHelp. "E tudo indica que os números serão, no mínimo, ligeiramente altistas", completa. 

As expectativas do mercado para os estoques finais de soja dos EUA variam entre 3,08 e 5,17 milhões de toneladas, com uma média de 4,49 milhões. Em novembro, a estimativa foi de 5,17 milhões. 

Ademais, segue o acompanhamento dos traders para o clima da América do Sul - que segue registrando alguma melhora das chuvas, porém, não de forma regular - e para o comportamento da demanda. 

O mercado observa ainda a força das vendas norte-americanas para exportação que seguem fortes e foram atualizadas pelo USDA nesta quinta. 

  soja US$ 5,04  
         
  B3 (Bolsa)      
CONTRATO US$/sc R$/sc VAR  
nov/20 25,72 129,6288 0,08%  
     
Última atualização: 16:00 (10/12)  

Na semana encerrada em 3 de dezembro, os EUA venderam 569 mil toneladas de soja, contra um intervalo esperado pelo mercado de 400 mil a 1,1 milhão de toneladas. O volume é 42% menor do que a média das últimas quatro semanas e leva o total acumulado na temporada a 52,906,6 milhões de toneladas, contra pouco mais de 26,9 milhões do ano passado. A China segue na liderança como principal comprador da soja americana. 

Para todo ano comercial 2020/21, o USDA estima as vendas dos EUA em 59,88 milhões de toneladas.

De acordo com a TF Agroeconômica, a China está pressionando o Brasil no mercado da soja, mas comprou vários lotes no mercado de Paper. A queda nos preços levou a alguma ação no mercado físico com trituradores chineses licitando e comprando soja dos EUA, mas não para janeiro, mas para agosto, deixando analistas suspeitando que estão incentivando ofertas mais baixas do Brasil.

Isso ocorreu nesta quinta-feira, com os prêmios caindo sobre a curva em uma base FOB Paranaguá, mas não o suficiente para compensar o aumento nos futuros. Houve ofertas em 101 c/bu sobre os futuros de março para fevereiro e 70 c/bu sobre os futuros de março para envio de março. Isso levou a um preço fixo de US$ 463,75/t para fevereiro e US$ 452/t para março, este último subindo marginalmente no dia.

SOJA - PREMIO  
CONTRATO VALOR  
dez/20 250  
mar/21 75  
abr/21 65  
mai/21 70  
Última atualização: 09/12/2020  
     

No Golfo dos EUA, uma carga foi negociada para o segundo semestre de agosto, com o preço em 104 c/bu - mais um acordo para grãos de safra nova. No front da CFR China, as ofertas continuaram focadas nos embarques do 3º e 4º trimestre de soja brasileira e norte-americana na quinta-feira. Os interesses de compra para o embarque de julho para safra nova brasileira foram de 172 c/bu  em relação aos futuros de julho, abaixo do nível negociado de 176-177 c/bu no dia anterior. Ao norte do equador, as ofertas em CFR para os embarques de setembro e outubro da PNW, mas nenhum acordo foi atingido à medida que o spread de ofertas permaneceu amplo. Para os embarques do mês anterior, a demanda foi novamente sombria, pois a cobertura chinesa tem sido suficiente e as  margens  de  esmagamento  permaneceram  apertadas,  forçando  os  trituradores  a  reservar  embarques  para  a frente. O indicador CFR China para embarque de janeiro da opção mais barata foi a 3 c/bu mais baixo no dia em 212 c/bu sobre os futuros de janeiro contra ofertas indicadas em 220 c/bu sobre os futuros de janeiro. A avaliação equivalia a US$ 503,5/t, um aumento de US$ 2,75/mt em termos de avaliação anterior devido a futuros mais altos.

Os preços continuam caindo no estado do Rio Grande do Sul, diante da manutenção do dólar em níveis baixos, embora tenha subido levemente na quarta-feira, de acordo com o que afirmou a TF Agroeconômica. Dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) informaram que o Brasil importou 748.000 toneladas de soja no ano comercial de 2020, com 122.000 toneladas apenas em novembro, sendo que a maioria era do Paraguai, mas o RS importou do Uruguai, também. 

Preço soja referência (chicago ):$/MT 515,42   10/dez  
             
Preço Brasil - esalq - Paranaguá: $/MT 503,51   10/dez  
             
Preço Brasil - MI - Paranaguá: $/MT 512,57   10/dez  
PREÇO REFERÊNCIA FAS PARANAGUÁ NET.  Preço Brasil MI = R$ 155 por saca  

“Os preços, desta vez, caíram forte 4,05% em Rio Grande para R$ 142,00, 1,41% em Ijuí e Cruz Alta para R$ 140,00, 1,40% em Canoas para R$ 141,00, 0,68% em Santa Rosa a R$ 145,00. Em Passo Fundo permaneceu inalterado em R$ 138,00. O mercado futuro subiu 0,73% com a alta do dólar para R$ 137,50/saca para maio de 2021”, comenta. 

Com preços baixos e pouca disponibilidade o mercado continua travado no estado do Paraná. “Os preços de balcão continuaram a R$ 130,00/saca. No mercado de lotes R$ 140,00 Ponta Grossa entrega e pagamento em dezembro. Da safra velha em Paranaguá cotação de R$ 150,00 apenas nominal. Soja futura na origem foi cotada para entrega  em março e pagamento em 15 de abril em Ponta Grossa a R$ 132,50, Guarapuava a R$ 130,60, Pato Branco a R$ 130,00, Campo Mourão a R$ 129,40, Maringá a R$ 129,00 e Cascavel a R$ 128,00”, completa. 

INDICADOR DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA - PARANAGUÁ
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$
10/12/2020 152,26 -2,05% -5,88% 30,23
09/12/2020 155,45 4,31% -3,91% 29,99
08/12/2020 149,02 -3,50% -7,88% 29,06
07/12/2020 154,42 1,26% -4,54% 30,39
04/12/2020 152,5 -3,35% -5,73% 29,74
         

Em Minas Gerais, os preços permaneceram inalterados nesta quarta-feira. “O mercado mineiro de soja continua com poucas ofertas e preços em queda em Minas Gerais.  Nesta quarta-feira os preços mantiveram o recuo dos dias anteriores nas principais praças do estado, como mostra nossa tabela ao lado. O produtor sentiu a queda e correu para garantir o preço antes de novas baixas”, conclui. 

 

 

› FONTE: Floripa News (www.floripanews.com.br)

Comentários