Floripa News
Cota??o
Florian?polis
Twitter Facebook RSS

Análise diaria mercado agricola milho soja açucar

Publicado em 10/09/2020 Editoria: AgroNews Comente!


MILHO - CORN

Informações da agência internacional dão conta ainda de que as principais regiões produtoras de soja e milho do nordeste da China foram devastadas por três tufões em menos de 15 dias, alagando campos e dificultando o transporte. E mais chuvas estão previstas para os próximos dias. Está se formando um grande buraco na China para o milho, um déficit de mais de 40 milhões de toneladas os quais eles vão terque comprar do Brasil , Ucänia e USA. A estimativa para a safra de milho 2020/21 da Argetina é de uma colheita de 48 milhões de toneladas, segundo a Bolsade Rosário na Argentina. A quinta-feira (10) chega ao final com preços do milho levemente mais altos no mercado físico brasileiro. O comprador do milho no mercado físico paulista está mais ausente dos negócios no últimos dias, com a queda do dólar e a expectativa da colheita norte-americana. Isto deixou o mercado mais lento e as referências ligeiramente pressionadas. As referências em Campinas-Sp giram ao redor de R$57-R$58/sc, CIF, 30d. O resultado total das três safras de milho caminha para o final, faltando apenas lavouras cultivadas na região de Sealba, além de Pernambuco e Roraima. A participação desses estados é de algo próximo a 1,7% no consolidado nacional. A primeira safra já foi colhida e a segunda está em finalização. A expectativa é fechar em mais de 102 milhões de toneladas, um aumento de 2,5%. Já a previsão de exportação permanece inalterada no montante de 34,5 milhões de toneladas neste atual ciclo. Para atingir este volume, espera-se que o Brasil embarque mais 22,8 milhões de toneladas de milho até janeiro de 2021

miho  
       
  B3 (Bolsa)    
CONTRATO R$/sc VAR  
set/20 58,05 0,21%  
nov/20 58,9 0,27%  
jan/21 58,85 1,64%  
mar/21 58,49 2,61%  
Última atualização: 17:07 (10/09)

 

 

INDICADOR DO MILHO ESALQ/BM&FBOVESPA (Mercado)  
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$  
10/09/2020 58,38 0,40% -4,69% 10,98  
09/09/2020 58,15 -0,84% -5,06% 10,99  
08/09/2020 58,64 -0,71% -4,26% 10,94  
04/09/2020 59,06 -0,08% -3,58% 11,13  
03/09/2020 59,11 -2,07% -3,49% 11,17  
           

SUGAR - AÇUCAR

A Índia pode fazer um anúncio antes do final deste mês e conversas indicam que o volume ficará em torno de 6 milhões de toneladas. “A alta oferta de açúcar indiano no mercado mundial provavelmente gerará pressão de preços (para baixo) repetidamente”, disse o Commerzbank em nota de mercado. Traders disseram que os suprimentos continuam amplos, com a produção no Brasil permanecendo forte enquanto aguardam a confirm ação dos relatórios de que a Índia vai subsidiar as exportações de açúcar pela terceira temporada consecutiva em 2020/21. No acumulado da safra 2020/21, a moagem alcançou 415,09 milhões de toneladas, um aumento de 3,83% sobre as 399,79 milhões pro cessadas em igual período do ciclo 2019/20.. (UNICA). Desde o início da safra 2020/21 até 1º de setembro, 46,99% da matéria-prima foi destinada a fabricação do adoçante, ante 35,48% no mesmo período de 2019. Números oficiais da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) indicam que em agosto de 2020 foram exportadas 3,47 milhões de toneladas. Este resultado, além de representar um recorde de exportações na série histórica do adoçante para este mês, indica também um aumento de 119% sobre o valor apurado em agosto do ano passado.

INDICADOR DO AÇÚCAR CRISTAL ESALQ/BVMF - SANTOS  
  VALOR R$ VAR./DIA VAR./MÊS VALOR US$    
10/09/2020 85,52 -1,25% 0,46% 16,09    
09/09/2020 86,6 0,96% 1,73% 16,37    
08/09/2020 85,78 0,05% 0,76% 16,01    
04/09/2020 85,74 0,33% 0,72% 16,16    
03/09/2020 85,46 0,08% 0,39% 16,15    
Nota: Reais por saca de 50 kg, com ICMS (7%) .        
  media R$ 85,82        
  valor saco $ 16,13        
  valor ton $ 322,63  porto santos - FAS - icmusa 130 - 180  
                          com 7% icms    
             

SOYEBEAN - SOJA

A previsão de redução de 3,0 milhões de toneladas na safra norte-americana de soja elevou as cotações na Bolsa de Chicago, de acordo com o que afirmou a T&F Consultoria Agroeconômica. “Os futuros de soja negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) acumularam um novo avanço. O USDA anunciou novas vendas para a China por 238.000 toneladas e outras 132.000 toneladas para destinos desconhecidos”

Os Estados Unidos venderam mais 195 mil toneladas de soja da safra 2020/21 para a China nesta quinta-feira (10), de acordo com um anúncio diário do USDA (Departamento de Agricultura dos EUA). Assim, o total vendido na semana passa de 1,1 milhão de toneladas vendidas na semana com a nação asiática como principal destino.

SOJA - CME - CHICAGO  
CONTRATO US$/bu VAR(cents./US%) VAR (%)  
set/20 9,85 5,25 0,54  
nov/20 9,775 -1,25 -0,13  
jan/21 9,815 -1,75 -0,18  
mar/21 9,8 -1,25 -0,13  
Última atualização: 17:05 (10/09)    

A demanda forte pelo produto americano continua como principal estímulo às cotações da soja na Bolsa de Chicago, que começou a quinta-feira com uma ligeira realização de lucros, mas voltou a subir no final da manhã de hoje. Perto de 11h40 (horário de Brasília), as cotações subiam entre 0,75 e 2 pontos nos principais contratos, com o novembro valendo US$ 9,80 e o março, US$ 9,82 por bushel. 

Enquanto isso, a previsão de tempo seco e de geada nas regiões do centro-oeste norte-americano transmite incerteza. Mercado espera um novo USDA mensal (sexta-feira 11/09) para atualizar as perspectivas de produção. 

SOJA - PREMIO  
CONTRATO VALOR  
set/20 160  
out/20 160  
nov/20 155  
mar/21 55  
Última atualização: 09/09/2020  

Depois da guerra comercial entre China e Estados Unidos ter cessado e, apesar de a safra 19/20 brasileira ter sido a preferida dos chineses, a safra 20/21 dos EUA, antes mesmo da colheita, já conta com mais de 13,53 mi de toneladas adquiridas pela China. Este valor fica próximo daquele observado na safra 13/14 e acima de todas as demais temporadas. 

           
    soja US$ 5,32  
           
    B3 (Bolsa)      
  CONTRATO US$/sc R$/sc VAR  
  nov/20 21,58 114,8056 0,05%  
  Última atualização: 14:07 (10/09)  

Informações da agência internacional dão conta ainda de que as principais regiões produtoras de soja e milho do nordeste da China foram devastadas por três tufões em menos de 15 dias, alagando campos e dificultando o transporte. E mais chuvas estão previstas para os próximos dias.

 

Na manhã desta quinta-feira (10) a Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos anunciou oficialmente as condições de La Niña para 2020.

O sistema climático La Niña pode impactar a produção global de alimentos, elevando os preços, à medida que secas e inundações em potencial trazem transtornos a um conjunto de commodities agrícolas importantes do Sudeste Asiático à América do Sul. Durante esse período, a turbulência na produção de commodities levou a um aumento acentuado nos preços mundiais dos alimentos, com o Índice Mundial de Preços de Alimentos e Agricultura das Nações Unidas atingindo um recorde em fevereiro de 2011, 37% acima do final de 2009.La Niña normalmente afeta uma ampla gama de commodities agrícolas, pois traz chuvas de inverno-primavera acima da média na Austrália, especialmente nas regiões leste, central e norte, bem como no sudeste da Ásia, com potencial de inundações.

             
Preço soja referência (chicago ):$/MT 420,72   10/set  
             
Preço Brasil - esalq - Paranaguá: $/MT 425,53   10/set  
             
Preço Brasil - MI - Paranaguá: $/MT 426,07   10/set  
PREÇO REFERÊNCIA FAS PARANAGUÁ NET.  Preço Brasil MI = R$ 136 por saca  

Também pode secar o sul dos EUA durante o inverno, trazendo temperaturas mais amenas e tempestades ao norte. Na América do Sul, as áreas agrícolas da Argentina podem se tornar mais áridas, com possibilidade de secas em partes do Brasil. O fenômeno climático interrompe a produção de uma ampla gama de produtos agrícolas, como soja, milho, colza, açúcar, café e borracha.  

Depois de um agosto de adversidades climáticas no Corn Belt, o mercado espera que o boletim mensal de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) traga correções na safras de soja e milho do país, com reduções da produtividade e, consequentemente, dos estoques finais norte-americanos de ambos os produtos. O reporte chega nesta sexta-feira, 11 de setembro, às 13h (horário de Brasília). 

A produção de soja da Argentina na temporada 2020/21 está estimada em cerca de 50 milhões de toneladas, disse a bolsa de grãos de Rosário na noite de quarta-feira, na primeira indicação do tamanho potencial da principal safra comercial do país produtor de grãos.

A Argentina, maior exportador mundial de soja processada, provavelmente aumentará sua área de plantio de soja em cerca de 0,6% em relação ao ano anterior, para cerca de 17,3 milhões de hectares, disse a bolsa. A safra de soja da Argentina na temporada 2019/20 foi de 50,7 milhões de toneladas.

No mercado brasileiro, os preços nos portos variam entre R$ 136,00 e R$ 138,00 por saca, enquanto no interior variam entre R$ 141,00 e R$ 142,00, principalmente nas indústrias do Sul do país, mas com poucos negócios sendo registrados neste momento e estabilidade sendo registrada no cenário nacional. 

"Agora, os olhos estão voltados para o céu, esperando a chuva. Paraná começando a se movimentar, os produtores do Centro-Oeste também esperando pela chuva. O que se sabe é que deve ser uma corrida de plantio assim que começar a chover e vamos para recorde histórico de área. Já estamos com mais de 45% da safra futura negociada e o mercado, praticamente, de olho só no clima", explicou o consultor Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting.  

Os indicativos para a safra nova variam entre R$ 118,00 e até R$ 121,50 por saca, nas posições de junho e julho de 2021

Os preços de farelo e óleo renovaram as máximas nos últimos dias, fazendo a relação soja/farelo e óleo aumentar 4,19% na semana passada, fechando em média a R$ 363,99/tonelada.

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou no começo da manhã desta quinta-feira (10) o 12º Levantamento de Grãos com os resultados da safra 19/20. Foi confirmado um recorde histórico, somando 257,8 milhões de toneladas de grãos no país. Esse volume é 4,5% ou 11 milhões de toneladas superior ao da safra passada.  A evolução foi somada pelo aumento da área plantada em 4,2%, fechando em 65,7 milhões de hectares e também avanço em produtividade em 0,3%, a uma média de 3,912 kg/hectare.

             
Preço soja referência (chicago ):$/MT 420,72   10/set  
             
Preço Brasil - esalq - Paranaguá: $/MT 425,53   10/set  
             
Preço Brasil - MI - Paranaguá: $/MT 426,07   10/set  
PREÇO REFERÊNCIA FAS PARANAGUÁ NET.  Preço Brasil MI = R$ 136 por saca  

A soja foi o carro-chefe colocando o Brasil como maior produtor mundial. A oleaginosa também alcançou um recorde de 124,8 milhões de toneladas e ganho de 4,3% em relação à safra 2018/19. Foram plantados 36,9 milhões de hectares. Os maiores produtores são Mato Grosso, na liderança disparada com 35,8 milhões de toneladas (avanço de 8,9%); em segundo lugar aparece o Paraná, com 21,5 milhões de toneladas (avanço de 27,6%); e em terceiro desponta Goiás, com 13,1 milhões de toneladas (avanço de 8,8%). O segundo e terceiro colocados tomaram a posição que era do Rio Grande do Sul e sofreu com a estiagem. A produção gaúcha caiu de 19,5 milhões de toneladas na safra anterior para 11,4 milhões de toneladas, uma baixa de 41,4%.

Já para o próximo ano, a expectativa é o País colher 278 milhões de toneladas de soja e milho, um crescimento de quase 8% em relação a este ano. 

As exportações para a China desde o início do ano comercial brasileiro, em fevereiro, agora estão em 57,5 milhões de toneladas, quase 14 milhões de toneladas a mais do que os números de exportação no mesmo período de 2019. “Os dados significam que a China tomou 73% de todas as exportações brasileiras de soja desde fevereiro, contra 75% em 2019”

› FONTE: Floripa News (www.floripanews.com.br)

Comentários