Floripa News
Cota??o
Florian?polis
Twitter Facebook RSS
Bondeconomia - Por Fernando Bond

Bondeconomia Por Fernando Bond

Bondeconomia - Por Fernando Bond

UMA DUPLA FOCADA EM ACELERAR PROGRAMAS ASSUME O DESENVOLVIMENTO

Publicado em 21/05/2018 Comente!

Secretários SDS, Adenilson e Fábio / Foto: Mônica Foltran

Secretários SDS, Adenilson e Fábio / Foto: Mônica Foltran

O crescimento de SC é fato notório: foi o último estado a entrar na recessão histórica de 2015 e o primeiro a sair, já em 2017. O IBGE aponta que de janeiro a março deste ano a indústria catarinense avançou 5,9%, superando o percentual nacional de 3,1%. Com um desenvolvimento sustentado em pilares sólidos, o estado cresce e avança no pós-crise e na retomada da economia. 

Neste cenário, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS) tem papel fundamental e agora, com a troca de secretários, acelera os programas que vinham sendo implantados pelo deputado estadual Carlos Chiodini. Estão à frente da SDS o novo secretário, Adenilso Biasus, e o adjunto, Fábio Lima, que têm foco na continuidade das ações de fomento à economia. Com o objetivo de desburocratizar a abertura de empresas, o SC Bem Mais Simples atua para atrair empreendedores e gerar emprego e renda. Mais de 130 cidades assinaram o termo de adesão ao programa que possibilitará a abertura de novas companhias em até 5 dias.

O Juro Zero, já nacionalmente reconhecido como política pública de apoio aos microempreendedores individuais (MEIs) já atendeu mais de 73 mil dessas empresas, somando R$ 210 milhões. O Governo do Estado também está apostando em políticas públicas para o desenvolvimento por meio da inovação, conhecimento e empreendedorismo.

Entre as ações coordenadas pela SDS está a construção de 13 Centros de Inovação pelo estado. O de Lages está a pleno vapor e em breve será entregue a unidade em Jaraguá do Sul. E para fortalecer o ecossistema catarinense de inovação, o Governo lançou o Pacto pela Inovação, que aumenta a conexão e convergência das ações entre os setores públicos e privados, a fim de multiplicar resultados tornando SC ainda mais forte e competitiva.

No incentivo à produção de energias limpas e renováveis, o SC+Energia - Programa Catarinense de Energias Limpas aumenta a competitividade da economia por meio da diversificação da matriz energética. O programa contemplou 117 projetos cadastrados com mais de 3,3 GW nas fontes hidráulica, eólica, solar e biomassa.

ESCOLA SESI CERTIFICADA PELO GOOGLE

Mais do que acolher estudantes que não concluíram os estudos ou capacitar pessoas com deficiência, o Sesi Escola de São José vem promovendo a inserção tecnológica desses alunos. A escola é a primeira do Brasil voltada para a educação de jovens e adultos certificada pelo Google for Education. Esta é a segunda entidade da Federação das Indústrias a receber a distinção. O Senai de Tubarão também foi certificado em março

Por meio de uma parceria firmada pelo Movimento Santa Catarina pela Educação com o Google, a escola está fazendo uso das aplicações do Google for Education com os 520 alunos da educação de jovens e adultos e inclusiva. “Estamos sendo corajosos em buscar e incorporar a inovação em nossas práticas pedagógicas. Com isso, alavancamos a educação de SC. Temos como meta estender o uso dos aplicativos a todas as escolas de EJA do Sesi no estado”, prevê o presidente da Fiesc, Glauco José Côrte. 

MAPA DE ALERTA

Leitura imperdível para empresários de todos os portes, políticos e economistas é o Mapa Estratégico da Indústria 2018/2022 produzido pela Confederação Nacional do setor (CNI). O documento identifica os maiores desafios a serem superados até 2022, considerando as mudanças no ambiente econômico mundial e nacional que ocorreram nos últimos cinco anos. É bom lembrar que nossa produção industrial recuou aos níveis de 2004 e o país acumula quase uma década perdida.

De acordo com o Mapa, “2022 é um marco para ambições. É o último ano do próximo mandato presidencial e o ano de comemoração dos 200 anos da Independência do Brasil. É imperativo fazermos mais e melhor nos próximos quatro anos. O Brasil tem feito menos do que pode e precisa. A crise econômica e institucional recente ampliou o fosso entre o Brasil e competidores e comprometeu o desenvolvimento econômico e social do país. A correção da rota precisa ser aprofundada. Na economia e na qualidade das instituições”.

DESAFIOS

O Mapa alerta: “Os desafios são muitos. Superar os problemas do Custo Brasil é fundamental, mas não garante tudo o que o Brasil precisa. Uma agenda orientada ao desenvolvimento de novas competências e mudanças estruturais, executada no âmbito do governo e nas empresas, é central para a construção de uma indústria inovadora, globalmente competitiva e sustentável.

A indústria mundial está em um acelerado processo de mudança tecnológica e de modelos de negócios. Digitalização, Internet das Coisas, compartilhamento, economias circular e de baixo carbono são algumas das mudanças em curso. A incorporação dessas novas tecnologias possibilitará ganhos significativos de produtividade”.

COMPETITIVIDADE

Um dos pontos principais abordados pelo documento da CNI diz que “o país vem sucessivamente perdendo posições no ranking global de competitividade do World Economic Forum. Chegou à pior posição dos últimos dez anos em 2017. A perda da competitividade nacional compromete o crescimento econômico e a geração de emprego e renda.

Um importante determinante da competitividade é a produtividade. Nos últimos dez anos (2006 a 2016), o Brasil apresentou a pior evolução da produtividade entre seus 10 principais parceiros comerciais. Crescemos 5,5%, enquanto os EUA cresceram 16,2% e a Argentina 11,2%. Isso faz com que a indústria brasileira perca competitividade tanto no mercado internacional quanto no mercado doméstico, na concorrência com as importações desses países”.

Hora da Fenahabit

Blumenau realiza esta semana a 14ª edição da Fenahabit (Feira Nacional das Tecnologias de Habitação, Construção e Imobiliário), que se consolidou como a maior mostra de habitação, condomínio, imobiliário e decoração do Sul do país. O evento promovido pela Via Ápia será aberto na quinta-feira na Vila Germânica.

A Fenahabit acontece no momento em que o Brasil assume o 5º lugar no ranking mundial do setor moveleiro e apresenta excelentes números de acordo com o Relatório de Conjuntura e Comércio Externo, da Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário, que aponta alta de 12,4% na produção em janeiro deste ano, se comparado ao mesmo período de 2017. No acumulado dos últimos 12 meses, o crescimento foi de 5,9%. 

NÚMEROS

A Fenahabit 2018 terá a participação de 109 empresas, representando 245 marcas do mercado. A feira atravessou divisas e está trazendo neste ano 22 empresas de outros estados (Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas gerais) e 13 expositores de outros municípios catarinenses. A organização estima uma visitação superior a 20 mil pessoas, com negócios que podem alcançar R$ 50 milhões nos próximos 12 meses.  A Feira vai gerar ainda 600 empregos diretos e indiretos durante os quatro dias de realização.

COACHING

Paulo Vieira, escritor e conferencista, é presença confirmada na inauguração da sede da Febracis Florianópolis, no dia 5 de junho. Autor de sete livros, entre eles o best-seller "O poder da ação" - com mais de 300 mil exemplares vendidos no Brasil, e presença constante do top 10 dos mais procurados, ele é criador do revolucionário método CIS - Coaching Integral Sistêmico, que já impactou milhares de pessoas ao redor mundo, com temas liderança, negociação, relações humanas e gestão de pessoas.


Paulo VIeira / Foto: Divulgação

Comentários

Bondeconomia

Por Fernando Bond

Agenda

+ eventos