Floripa News
Cota??o
Florian?polis
Twitter Facebook RSS
Bondeconomia - Por Fernando Bond

Bondeconomia Por Fernando Bond

Bondeconomia - Por Fernando Bond

RETOMADA DA ECONOMIA JÁ TEM PROJETOS DE INVESTIMENTO EM TURISMO

Publicado em 18/09/2017 Comente!

FOTO RAFAEL ZUCHINI PLAZA CAPIVARI  CRÉDITO: FERNANDO BOND

FOTO RAFAEL ZUCHINI PLAZA CAPIVARI CRÉDITO: FERNANDO BOND

De todos os setores da economia, o turismo foi um dos que mais sentiu a recessão histórica dos últimos três anos. E mesmo com toda a crise política, a economia começa a decolar e “terá no turismo uma das alavancas para desenvolvimento do país”, acredita o presidente da Embratur, o catarinense Vinicius Lummertz. O grupo Plaza Hotéis, Resorts e Spas, que nasceu em 1958 no Rio Grande do Sul, hoje presente em quatro estados, é um dos que aposta nesta retomada. Está fazendo investimentos em tecnologia, infraestrutura, capacitação e consultoria de gestão em todas as suas unidades: o pioneiro Plaza São Rafael, em Porto Alegre, os hotéis de Florianópolis, Blumenau e Caldas da Imperatriz, as pousadas de Gaspar, Penha e Balneário Camboriú, em SC, as unidades baianas de Camaçari e Ilhéus, e o Plaza Ecoresort Capivari

Na Serra do Mar, às margens da BR-116 e de uma grande represa no município de Campina Grande do Sul, no Paraná. Levando ao pé da letra o conceito de rede, o grupo quer integrar o Plaza Capivari no fluxo turístico do Sul que hoje tem SC como destino principal. “Queremos que gaúchos e catarinenses, que junto com os paranaenses são o nosso maior público, venham cada vez mais para cá, para usufruir desse novo conceito familiar e ecológico que estamos implantando”, diz o gerente geral Rafael Zuchini. A Rede Plaza assumiu o empreendimento – que estava arrendado para a rede Mabu - em maio de 2016 e no ano que vem inicia um investimento de mais de R$ 80 milhões para construir 144 apartamentos e reformular todas as demais áreas de lazer e restaurantes. “Vamos mudar o conceito das acomodações, que hoje têm de 22 a 25 metros quadrados, oferecendo apartamentos que vão de 40 até 190 metros quadrados, para acomodar desde três pessoas até oito ou nove nos maiores. Nossa intenção é trazer famílias e fazer com que elas tenham o conforto de uma cozinha e outros serviços próprios, sem depender do restaurante para pequenas refeições ou para esquentar uma mamadeira”, explica Rafael. 

 

À ESPERA DO SETOR CORPORATIVO

Se por um lado o turismo de lazer já dá bons sinais para os investimentos que a Rede Plaza pretende fazer nos três estados do Sul, “o turismo corporativo, de eventos para empresas e entidades, ainda não reagiu, e este ano tivemos uma queda de 45% em comparação a 2016, que também não foi um ano muito bom”, diz o gerente geral Rafael Zuchini. “Este ano não recuperaremos mais essa perda porque não há reservas feitas, mas já temos cotações para o ano que vem, o que pode significar uma retomada do corporativo”, completa Rafael. Confiante, o Plaza Capivari vem investindo na capacitação e treinamento de mão de obra local, oferecendo cursos de hotelaria na rede municipal de ensino, em convênio com a prefeitura de Campina Grande do Sul. “Também temos projetos de educação ambiental para os estudantes, com a participação de profissionais como o biólogo e o geólogo da Rede Plaza e do engenheiro florestal da prefeitura”, diz Rafael.   

 

PARA APAES 

A Effecta Coaching, criada em 2015 para capacitar gratuitamente líderes de ONGs de Blumenau, vai formar este mês mais de 190 diretores de APAEs de SC, com cursos em Florianópolis. “Por meio da cultura de resultados e alto desempenho, de ferramentas eficientes e de fácil aplicação, vamos aumentar a performance das entidades”, explica Janaina Manfredini, master coach da Effecta. A rede Apae é constituída por pais, amigos, pessoas com deficiência, voluntários, profissionais e instituições públicas privadas parceiras. (520)

 

 SUPERCAMPEÃ  

   

FOTO HARRY SCHMELZER E FRANCISCO MESQUITA

CRÉDITO: FELIPE RAU/ESTADÃO

                                                                                                                                                                                     A multinacional catarinense WEG está mais uma enfileirando prêmios. Desta vez foi a grande vencedoras do “Empresa Mais” do Estadão. Além do setor de Máquinas e Equipamentos, levou o título de companhia que mais impactou positivamente o mercado brasileiro, de acordo com pesquisa da Austin Rating, Fundação Instituto de Administração e Estadão entre 1,5 mil empresas. Depois de receber o prêmio das mãos do presidente do Grupo Estado, Francisco Mesquita, o presidente da WEG, Harry Schmelzer Jr. (à esquerda na foto) afirmou que é “muito mais do que um reconhecimento à WEG, é uma consideração importante à indústria nacional, à tecnologia desenvolvida no Brasil e a inovação tecnológica que conseguimos levar para o mundo”. Dos R$ 9,5 bilhões que a WEG faturou no ano passado, 57% vieram de negócios conquistados fora do país.  

 

NOS EUA       

                                                                                                                                                                                    Depois do sucesso do Digitalize-me em Blumenau, a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm/SC) inicia uma nova ação, levando empresários catarinenses para o 1º. International E-Commerce Experience, entre 22 e 30 de outubro, em Seatle e Vancouver, nos Estados Unidos. De acordo com o presidente da entidade, Cristiano Choussard, “é preciso aprender mais com os líderes mundiais do setor, que aqui no Brasil, na contramão da crise, cresceu 11% e faturou R$ 53,4 bilhões em 2016”.  

 

Sem acordo

                                                                                                                                                                            Voltando à novela das demolições de empreendimentos turísticos e imobiliários: o Ministério Público Federal firmou acordo com a Yachthouse, responsável pelas obras do maio residencial do país, em Balneário Camboriú, já conhecido como “prédio do Neymar” - o craque comprou uma das coberturas no topo dos 80 andares. A Procuradoria da República pedia a paralisação das obras – e até demolição – alegando irregularidades na concessão de licença ambiental. Agora, a empresa vai fazer contrapartidas ambientais para a cidade. Enquanto o bom senso prevalece em Balneário Camboriú, em Florianópolis continuam sob ameaça os beach clubs de Jurerê Internacional, os bares da Joaquina e mais trinta mil imóveis. 

 

SUSTENTÁVEL    

                                                                                                                                                              Empreendedores, profissionais e ambientalistas de todo o Estado se preparam para o evento Turismo e Sustentabilidade Ambiental – contribuições, paradoxos e desafios para o desenvolvimento sustentável, ponto central da 2ª Jornada de Turismo Social do Sesc/SC, dias 9 e 10 de outubro em Florianópolis. Entre os especialistas internacionais estará o professor Júlio Mendes, da Universidade do Algarve, que vem falar de 2017 como o Ano Internacional para o Desenvolvimento Sustentável e a experiência de Portugal para a melhor gestão dos destinos. 

CRUZEIROS                        

                                                                                                                                                                                  Balneário Camboriú está incluída na rota da próxima temporada de cruzeiros, de novembro a abril de 2018, quando está previsto o crescimento de 11,5% no número de passageiros – cerca de 427 mil – em razão da chegada de transatlânticos maiores. Serão sete navios a fazer roteiros a partir de Santos e Rio, longe ainda dos 20 que em 2010 transportaram 800 mil passageiros.  

Comentários

Bondeconomia

Por Fernando Bond